E o conteúdo programático?

22 de abril de 2012

Enquanto os agentes governamentais questionam se a Banca do Concurso da PMAL será a Copeve/Ufal ou a Cespe (FNB), uma boa dica é saber qual foi a configuração das provas aplicadas para Polícia Militar, desde 2006. Depois de uma pesquisa rápida pelos arquivos disponíveis na Internet. Chegamos a 13 provas aplicadas, pelas mais diversas banca: em 100% delas a disciplina de Língua Portuguesa foi cobrada, mas em apenas uma se observou a Redação.

As disciplinas que mais foram cobradas:  Matemática, Geografia do Estado, História do Brasil, Geografia do Brasil e História do Estado. Um destaque é para Direitos Humanos que tem sido cobrado como um tipo de filtro sobre o perfil do candidato. Outra cobrança em termos de conhecimento são as Noções de Informática, típico do concurso de nível médio. Já a parte de conhecimentos jurídicos depende do entendimento do Governo e a Banca. Em alguns casos é considerado que o candidato, aprovado e convocado ao curso de formação, lá aprenderá sobre esses aspectos. Já em outros é cobrado praticamente toda a amplitude dos ramos do Direito.


Então avaliar o perfil das provas é um bom caminho para ter noção de qual conteúdo poderá ser cobrado. Contudo temos visto uma diversidade muito grande de temas abordados nas provas. Outro caminho é que sendo Copeve/Ufal, o edital 2006 com certeza será um ponto de partida, pelo menos tem sido utilizado pelos Cursinhos Preparatórios de Maceió e Arapiraca:

>Confira o Conteúdo Programático de 2006>


Concurso PMAL – 2012

15 de abril de 2012

Você que pretende prestar concurso para a Polícia Militar de Alagoas em 2012, tem aqui em nosso blog um espaço para receber orientações, dicas e compartilhar informações.

Acesse nossa página especial com o material de estudo, provas e editais

Se prepare para o
Teste de Aptidão Física
(TAF)

> Veja dicas e orientações sobre essa importante etapa do concurso >

E tatuagem, pode?

Alguns critérios serão cobrados, baseados nos
artigos 7º e 8º do Estatuto dos Policiais Militares.

> Confira os limites de altura e idade >

==============================================================

 Encontre seu nome na lista de aprovação…

… e faça parte desse time de guerreiros:


Dez erros “clássicos” de quem presta concurso

15 de abril de 2012

Fonte: R7 >Matéria original>

Vários são os erros a que estão sujeitos os candidatos que prestam concursos públicos. Esquecer-se de ler o edital, de levar documentos exigidos na hora da prova ou até deixar para estudar na véspera são pecados mais comuns do que se imagina.

Pensando nisso, o R7 entrevistou dirigentes e professores de cursinhos preparatórios e reuniu dez dicas para ajudar os profissionais que estão na luta por um lugar ao sol no paraíso do setor público. Veja abaixo:

1) Escolher concurso pelo salário e pelo número de vagas
O primeiro erro é escolher o concurso pelo volume de vagas disponíveis e pela remuneração, não pelo perfil do cargo oferecido. Não é incomum, nesses casos, que os recém-contratados descubram que a nova profissão não tem nada a ver com eles ou com a área que querem trabalhar. Muitos bancários concursados para a Caixa Econômica Federal ou o Banco do Brasil, por exemplo, descobrem tarde demais que odeiam trabalhar em banco. Por isso, o conselho é escolher a carreira pela afinidade, para não ficar desmotivado e desistir do serviço no meio do caminho.

2) Não ler o edital
Esse é um dos erros mais comuns, na opinião de Wilson Granjeiro, diretor do Gran Cursos. O edital é a regra do jogo no caso de concursos públicos, é onde estão registradas todas as informações essenciais para ser aprovado. Os livros que vão ser cobrados, a matéria obrigatória na prova, as datas de divulgação dos resultados, que documentos levar, tudo isso está no edital. Vale a pena fazer uma leitura atenta, guardar uma cópia na bolsa para ler no momento em que estiver de bobeira e até imprimir e colar na parede do quarto.

3) Ignorar qual é a empresa organizadora do concurso
Saber qual é a empresa ou fundação que vai organizar a prova é importante para conhecer o estilo das questões cobradas – a Cesgranrio, por exemplo, é uma das que fazem os exames mais simples, na opinião de professores de cursinho. As questões cobradas são diferentes da Vunesp, da Fundação Carlos Chagas, do Cespe, da Funrio, da Cetro, da FGV e da Esaf – todas organizadoras de concursos públicos.
A Esaf, por exemplo, é uma das organizadoras com provas mais difíceis do país. A Vunesp costuma ter exames mais padronizados, além de ser também responsável por vários vestibulares. Saber qual é a organizadora também ajuda a conhecer a banca que irá corrigir o processo seletivo. Algumas são mais tolerantes com os candidatos a chutar as respostas nas questões e outras não, por exemplo.

4) Priorizar o estudo das matérias mais fáceis para o candidato
Você gosta de português e literatura, por isso se foca em estudar essa área. Todo o resto – matemática, lógica, atualidades – fica em segundo plano. Essa é a fórmula para ir mal no concurso público, na opinião de quem dá aula para as provas. Professor da Central de Concursos, que prepara os profissionais para os exames, Vivaldo Pereira ressalta que as disciplinas básicas nunca devem ser esquecidas. São elas: matemática, português, atualidades e informática.
Abrir mão de uma das disciplinas porque ela é “chata de estudar” não deve ser uma opção para os candidatos, na opinião de Wilson Granjeiro. Todas as matérias são importantes, e zerar uma delas – ou seja, errar todas as questões – muitas vezes significa eliminação do processo seletivo.

5) Escolher um concurso de nível médio porque é mais fácil
Mais uma armadilha comum, na qual muita gente cai. Em geral, concursos com vagas para nível médio de escolaridade (equivalente ao antigo colegial) são mais fáceis do que os de nível universitário. Apesar disso, o número de candidatos é bem maior, o que faz a concorrência e a dificuldade do exame crescerem. Trata-se de um erro “clássico”, na opinião de Granjeiro.
– Vários concorrentes também terão nível universitário, não é uma ideia exclusiva de um ou outro candidato. Outro problema é que o concurso de ensino médio oferece salários menores e carreiras em geral pouco interessantes para quem se formou em universidade. Mais uma vez se cai na armadilha do concurso para um perfil que não é o do candidato.

6) Não fazer planejamento de estudos
Quem for prestar um concurso público tem que estar preparado. As provas são difíceis, principalmente quando o número de vagas é baixo e o cargo oferece boa chance de crescimento e de salário. Um candidato a cargos na Justiça, por exemplo, em geral precisa ter – além do diploma em direito – experiência de até três anos em advocacia. Pensando nisso tudo, se inscrever num processo seletivo e não se planejar para estudar significa não levar a sério a prova, na opinião dos diretores de cursinho ouvidos pelo R7.
O ideal é separar no mínimo três horas por dia, seis dias por semana, para estudar. O candidato deve fazer resumos das disciplinas cobradas e responder questões de provas anteriores como treino – escrever ajuda a fixar o conteúdo cobrado, mais do que apenas ler, afirma Ângela Nunes, professora do cursinho Atitude, com sede na Bahia.

7) Não simular as condições do concurso
Tem muito a ver com a dica anterior. O professor Wilson Granjeiro, do Gran Cursos, afirma que o concorrente precisa estar com o corpo e o cérebro acostumados à pressão e a situações que vai passar na prova do concurso. Deixar de estar preparado fisicamente pode significar dormir demais e chegar atrasado na hora da avaliação. Ou ficar com sono e desconcentrado quando for responder às questões. O ideal, diz Granjeiro, é fazer uma simulação da prova.
– Em um cursinho pré-vestibular, o estudante não faz simulados? A ideia é a mesma, simular a situação da prova do concurso. Se a prova tem quatro horas, o candidato deve passar quatro horas respondendo o mesmo número de questões, sob condições similares ao processo seletivo. É importante saber qual a hora em que dá mais cansaço, em quanto tempo dá para fazer o exame etc.

8) Esquecer documentos e itens obrigatórios na hora da prova
Tem gente que perde a chance da vida de obter um trabalho por não levar o documento de identidade na hora da prova para o concurso. Esse tipo de coisa é um erro clássico, mas fácil de evitar, dizem os professores de cursinho. Uma saída é fazer uma lista do que levar no dia da prova e checá-la tanto na véspera quanto antes de sair de casa rumo ao local do exame.

9) Deixar o estresse tomar conta
Prestar um concurso público, assim como um vestibular, é estressante. O candidato tem que saber a hora de se desligar dos estudos e viver – encontrar a família, a namorada e os amigos. Um dos efeitos da pressão é o desânimo, segundo o professor Flávio Martins, dirigente da rede de cursinhos LFG. Ele já havia dado os mesmos conselhos anteriormente, para o R7. Quem se estressa desanima, e quem desanima desiste de estudar no meio do caminho.
– É essencial que o estudante faça intervalos durante os estudos, para descansar a mente e os olhos. Em média, a cada hora de leitura, o candidato deve parar por dez minutos.

10) Achar que apenas o cursinho preparatório resolve
É comum que candidatos se matriculem no cursinho e achem que isso basta. Todos os professores foram unânimes em dizer que o aluno precisa estudar em casa e se preparar fora da sala de aula, seja sozinho ou em um grupo de estudos. Muitas vezes é esta preparação que faz a diferença: muita gente frequenta cursinhos, “mas poucos se dedicam de fato, seja dentro ou fora dos cursos”, afirma Granjeiro.
– Só com método, com foco, com disciplina é que hoje se passa na prova do concurso público. Não basta chegar e sentar para fazer o exame. É preciso ter calma, estudar por um bom tempo antes da prova, ter predisposição para refletir sobre as questões. Trabalhar para o governo oferece muitas vantagens, mas os concursos públicos estão cada vez mais difíceis.


CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EDITAL DE 2006

14 de abril de 2012

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EDITAL DE 2006

II – Provas de Nível Médio

Português II – para os cargos de nível médio
1. Compreensão de Texto. 2. Ortografia Oficial: Emprego das Letras. Acentuação Gráfica. Emprego da Crase. Pontuação. 3. Classe das Palavras. 4. Emprego dos Verbos Regulares, Irregulares e Anômalos. 5. Concordância Verbal e Nominal. 6. Regência Nominal e Verbal. 7. Emprego dos Pronomes. 8. Significação das Palavras: Sinônimos. Antônimos. Homônimos. Parônimos. 9. Linguagem Formal e Informal; Modalidades: Linguagem Escrita e Oral.

Conhecimentos Gerais II – para os cargos de nível médio
1. O Brasil: relevo, rios, clima, a fauna e a flora, agricultura, comércio, indústria, pecuária, transportes e comunicações. 2. As Regiões Brasileiras. 3. A História do Brasil: as grandes navegações, Descobrimento do Brasil, os Primeiros Habitantes do Brasil, A cana-de-açúcar, a expansão do nosso território. 4. A Independência do Brasil, a libertação dos escravos, A Proclamação da República. 5. A Amazônia. 6. O espaço alagoano: Organização, paisagens naturais, atividades econômicas, problemas ambientais, dados históricos, culturais e políticos. 7. Atualidades

Matemática – para os cargos de nível médio
1. Números reais, inteiros e racionais. Operações. Problemas. 2. Números e grandezas proporcionais. Divisão proporcional. 3. Porcentagem. Juros simples. 4. Equações e inequações do 1º e 2º Graus. Sistemas de 1º e de 2º graus. Problemas. 5. Razões e proporções: regras de três simples e composta. 6. Progressões Aritméticas e Geométricas. 7. Análise Combinatória. 8. Trigonometria no triângulo retângulo. 9. Medidas de comprimento, área, volume, massa e tempo. Sistema Métrico Decimal. 10. Exponencial, Função Exponencial e Equações Exponenciais. 11. Logarítmimo, Função Logarítmica e Equações Logarítmicas.

Noções de Direito – para os cargos de nível médio
1. Noções de Direito Constitucional. 1.1 Constituição da República: Dos Princípios Fundamentais; Dos Direitos e Garantias Fundamentais: Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos; Dos Direitos Sociais; Da Nacionalidade. 1.2 Da Organização do Estado – Da Organização Político-Administrativa; Dos Estados Federados. 1.3 Da Administração Pública: Disposições Gerais; Dos Servidores Públicos; Dos Militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios. 1.4 Do Poder Judiciário: Disposições Gerais; Dos Tribunais e Juízes Militares; Das Funções Essenciais à Justiça: Do Ministério Público; Da Advocacia e da Defensoria Pública. 1.5 Da Defesa do Estado e das Instituições Democráticas; Da Segurança Pública. 2. Noções de Direito Penal. 2.1 Código Penal: Princípio da reserva legal; consumação e tentativa; desistência voluntária e arrependimento eficaz; Crime – impossível, doloso, culposo; coação irresistível e obediência hierárquica; causas excludentes de ilicitude – estado de necessidade, legítima defesa, estrito cumprimento do dever legal, exercício regular de direito; homicídio; lesões corporais; furto; roubo; estelionato e outras fraudes (artigos de 171 a 176 do Código Penal); peculato; concussão; corrupção passiva; corrupção ativa; prevaricação; comunicação falsa de crime ou de contravenção; falso testemunho; coação no curso do processo; exercício arbitrário das próprias razões. 2.2 Lei n.º 9.099/1995 (artigos 60 e 61) – infrações penais de 6 menor poder ofensivo. 2.3 Lei nº 4.898/1965 – Regula o direito de representação e o processo de responsabilidade administrativa, civil e penal, em casos de abuso de autoridade. 3. Noções de Direito Penal Militar. 3.1 Aplicação da lei penal militar; crime; imputabilidade penal; concurso de agentes; penas; medidas de segurança; ação penal; extinção da punibilidade. 4. Direitos Humanos e Humanitários. 4.1 Estrutura jurídica: Conceitos básicos de Direito Internacional – Direito Internacional dos Direitos Humanos; Direito Internacional Humanitário. 4.2 Aplicação da lei. 4.2.1 Premissas: aplicação da Lei nos Estados Democráticos; conduta ética e legal na aplicação da Lei. 4.2.2 Responsabilidades: prevenção e detecção do crime e manutenção da ordem pública. 4.2.3 Poderes: captura; detenção; uso da força e de armas de fogo (práticas de tiro). 4.2.4 Para grupos vulneráveis: mulheres; crianças e adolescentes; vítimas da criminalidade e do abuso de poder, refugiados e deslocados internos.; 4.3 Comando e gestão: procedimentos de supervisão e revisão; investigação de violações dos direitos humanos. 5. Constituição do Estado de Alagoas – 5.1 Dos Servidores em Geral; 5.2 – Dos Servidores Públicos Militares; 5.3 – Da Organização dos Poderes: 5.3.1 – Do Governador e do Vice Governador do Estado; 5.3.2 – Das Atribuições do Governador e do Vice Governador do Estado; 5.4 – Da Segurança Pública; 5.5 – Das Disposições Constitucionais Gerais.

Noções de Informática – para os cargos de nível médio
1. Noções Básicas de Hardware: Entrada de dados; Saída de informações; Dispositivos de entrada e saída; Memória; Processamento de dados. 2. Sistema Operacional: Windows 98, ME e XP – Menu Iniciar; Área de trabalho; Arquivos, atalhos, ícones e pastas; Windows Explorer; Barra de tarefas; Janelas; Painel de Controle e Teclas de atalho. 3. Microsoft Office: Word 2000 – Janela do Word 2000; Teclas de atalho e seleção de textos; Barra de menus e Barra de ferramentas; Copiar, colar, recortar, tabulação, configurar página, etc. Excel 2000 – Janela do Excel 2000; Teclas de atalho, seleção de células e intervalos; Barra de menus e Barra de ferramentas; Inserção de dados; Fórmulas; Copiar, colar, mover células; Gráficos. 4. Conceitos Básicos de Internet: Internet Explorer 6.0 (ou superior) – Barras de Menus, Ferramentas, Status, Explorer, Endereço; Atalhos. W.W.W. – Conceitos importantes; Endereços da Internet;


A condição de militar estadual: O Estatuto dos Policias será cobrado?

14 de abril de 2012

A condição de militar estadual: O Estatuto dos Policias será cobrado?
A condição especial do servidor militar é sempre cobrada nas provas dos concursos da Polícia Militar, a fonte primária dessa condição é a Constituição Federal em seu artigo 42:

Art. 42 Os membros das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares, instituições organizadas com base na hierarquia e disciplina, são militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 18, de 1998)

Em consequência os parágrafos do artigo 42 da CF dizem em que os militares estaduais se equivalem fazendo auto-referência ao texto constitucional em dispositivos dispersos. Mas em Alagoas essa condição especial estará regulada pela Subseção II – Dos Servidores Públicos Militares da Constituição Estadual, a partir do artigo 63 até o artigo 67. Esse trecho foi cobrado no conteúdo de 2006, na questão 35 da Prova do Tipo 01:

35. Sobre os servidores públicos militares na Constituição do
Estado de Alagoas, é falso afirmar:

A) O militar da ativa que aceitar cargo público civil permanente
será transferido para a reserva, com os direitos e deveres
definidos em lei.
B) O militar, enquanto em serviço ativo, não poderá estar filiado
a partido político.
C) Gozo de férias anuais remuneradas com pelo menos um
terço a mais do que a remuneração do período
correspondente, paga a vantagem até a data do início do
período de repouso.
D) O servidor militar estadual faz jus à assistência judiciária
integral e gratuita por parte do Estado, através do órgão
competente da Polícia Militar, nos casos previstos em lei,
em que se veja indiciado ou processado.
E) Têm direito ao repouso eventual remunerado.

Gabarito: E

Na Constituição Estadual outros dispositivos falam sobre os militares ou sobre a Polícia Militar:

Art. 49    Prerrogativas gerais dos servidores públicos

Art. 63 – 67    Dos Servidores Públicos Militares

Art. 86    Prerrogativa exclusiva do governador em propor lei que altere fixação do efetivo da PM

Art. 107    Atribuição exclusiva do governador em nomear e exonerar o Comandante da PM

Art. 127 em diante    Sobre a Justiça Militar

Alguns concursos para Polícia Militar de outros Estados realizados por outras bancas há a cobrança por legislação específica, seja ela o Estatuto ou o Código de Ética. Parece ser um elemento característico dos atuais concursos cobrar do candidato conhecimento sobre os dispositivos legais próprios da carreira pretendida, assim o candidato já entra sabendo seus direitos e obrigações. Para quem está acostumado com os concursos da esfera federal, sabe que sempre se cobra o RJU, o regime jurídico único. No caso dos militares estaduais de Alagoas, a lei equivalente a 8.112 do RJU é a Lei Estadual n.º 5.346, de 26 de maio de 1992, o Estatuto dos Policiais Militares de Alagoas.

Então para fazer questões baseadas nos últimos concursos, a banca que elaborar a prova precisará recorrer ao Estatuto para perguntas coisas tais como: férias, licença à maternidade, à paternidade, férias, sobre licenciamento, exclusão do serviço ativo, promoção etc.

A inclusão do Estatuto no conteúdo programático é muito provável. Apesar de saber que a Constituição Estadual já o suficiente para falar sobre a condição especial do militar estadual. Bem, o certo é que essa condição especial de alguma forma será cobrada na prova.

 


Prepare o bolso: inscrição, exames e enxoval

14 de abril de 2012

Você quer ganhar dinheiro, então vai ter que gastar. Pode se preparar para sair de hoje da condição atual até consegui entrar no curso de formação você irá gastar:

1.    Com a inscrição de Nível médio da Copeve você deve gastar entre R$ 40,00 a R$ 80,00

2.    Com o cursinho, apostilas, vídeo-aulas, lanche e transporte lá vai uma tacada boa. Quando pensar em não gastar com isso, lembre-se que o outro candidato está fazendo, se você se garante em estudar sem gastos é melhor, mas nem todo mundo consegue estudar sozinho.

3.    Se for cobrado a CNH e você não a tiver terá que desembolsar uns R$ 500,00

4.    Lembre-se dos exames médico: se você não tem plano de saúde pode ser uma boa fazer um agora, só para cobrir os exames exigidos no concurso. Aqueles que são básicos como eletrocardiograma, radiografia de tórax etc. você pode começar a providenciar pelo SUS, o problema que o edital vai dizer com quantos meses de antecedência do exame pode ser feito, se for com muito tempo dá para fazer logo pelo SUS, mas se for com prazo pequeno ou aqueles mais diferentes terá que fazer particular. Veja a lista exames médicos cobrados em 2006 para soldado:

a.    Hemograma completo;Glicemia de jejum;
b.    Creatinina sérica;
c.    Sorologia para lues (VDRL quantitativo);
d.    Sorologia para HIV (HIV I e HIV II);
e.    Reação de imunofluorescência indireta – RIFI “Chagas” ou Reação de Elisa “Chagas”;
f.    Gama GT;
g.    Parcial de urina;
h.    Radiografia de tórax PA com laudo;
i.    Eletrocardiograma de repouso com laudo;
j.    Eletroencefalograma com laudo e exame;
k.    Laudo de acuidade visual com e sem correção;
l.    Toxicológico clínico;
m.    Teste diagnóstico de gravidez (para as candidatas do sexo feminino).

5.    Ao entrar no curso será cobrado a aquisição de um enxoval para seu próprio uso: camisas brancas, calça jeans, sapato preto, meia branca, short preto, além de itens que você vai precisar como graxa e escova de sapato, ferro de passar entre outros.
6.    Lembre-se que até você ser devidamente regularizado na Folha de Pagamentos do Estado você estará gastando com lanche, transporte e com o enxoval sem ter recebido o salário. Aquilo que ficar atrasado você receberá acumulado mais ou menos no terceiro mês.

https://cidadaossp.wordpress.com/2012/04/14/sera-cobrada-a-cnh/


Será cobrada a CNH?

14 de abril de 2012

Para nós que convivemos com o dia-a-dia da atividade policial de rua em Alagoas, não há sentido em não cobrar a CNH dos candidatos ao cargo de soldado combatente em 2012. Como também podemos ter a certeza que se dependesse única e exclusivamente das instâncias superiores da própria Corporação, seria exigida a CNH, como foi no Edital 2010 para o CFO, que cobrou no mínimo a categoria B. Mas estamos em ano eleitoral e essa decisão será de cunho político. A PMAL vive uma extrema carência de motoristas de viaturas. Será uma surpresa para mim, caso não seja exigida. Por isso fiquem preparados, aqueles que somente tem 17 anos, terão dificuldades. Se você tem um dinheiro para receber ou guardado, não gaste poderá ser necessário tirar a CNH de última hora.

Se você já tem planos de tirar ou precisa renovar, faça isso logo. Serve para o seu dia-a-dia e servirá caso seja pego de surpresa no concurso. Se for preciso tirar as pressas lembrem-se da opção de fazer na Bahia, em Pernambuco e em Sergipe, os preços são diferentes e os prazos também.

Confira o trecho do Edital 2010 para o CFO – Copeve que fala sobre a CNH:
“6.4 QUARTA ETAPA – DA APRESENTAÇÃO E COMPROVAÇÃO DOCUMENTAL
6.4.1 Serão convocados para a quarta etapa do concurso, os candidatos considerados aptos na terceira etapa.
6.4.2 De caráter eliminatório, será realizada por Comissão composta por policiais militares integrantes da Diretoria de
Pessoal da Polícia Militar, especificamente designada para este fim. Em data estabelecida pela Polícia Militar, os
candidatos aptos na Avaliação das Condições de Saúde, deverão fazer a entrega dos seguintes documentos na Diretoria
de Pessoal:
a) Nada Consta da Justiça Federal;
b) Nada Consta da Justiça Estadual;
c) Nada Consta da Justiça Eleitoral;
d) Nada Consta da Polícia Judiciária;
e) Nada Consta da Justiça Militar Estadual, para os militares;
f) Nada Consta da Corregedoria da Polícia Militar, para os militares estaduais;
g) Nada Consta das Organizações Militares Federais, para os militares das Forças Armadas;
h) Carteira Nacional de Habilitação – CNH (mínimo categoria B);
i) Título e comprovação de que se encontra quite com a Justiça Eleitoral (fotocópia autenticada);
j) Certidão de Conclusão do Ensino Médio ou equivalente, devidamente registrado e reconhecido pela
Secretaria de Educação ou outro Órgão Competente (fotocópia autenticada);
k) Carteira de identidade (fotocópia autenticada);
l) Certidão de Nascimento ou Casamento (fotocópia autenticada);
m) CPF (fotocópia autenticada);
n) Certificado de Reservista Militar ou Dispensa de Incorporação, para os candidatos do sexo masculino;
o) PIS ou PASEP, se possuir (fotocópia autenticada);
p) Declaração de bens;
q) 01 foto 3 x 4 de frente, colorida, fundo branco;
r) 01 foto 5 x 7 de frente, colorida, fundo branco.
6.5 QUINTA ETAPA – DA INVESTIGAÇÃO SOCIAL
6.5.1 Serão convocados para a quinta etapa do concurso, os candidatos”