Sem categoria

Ônibus 174

Há noves anos, mais precisamente em 12.06.2000, um sobrevivente do massacre da Candelária, o Sandro Barbosa, tomou um ônibus da linha 174, no bairro do Jardim Botânico, Rio de Janeiro.
Nosso objetivo de relembrar esse fato, dentro do curso de Gerenciamento de Crises tem três objetivos específicos: mostrar que nessa última década muita coisa avançou, que doutrinas específicas qualificaram melhor o conjunto da tropa.

BUS174
Que na verdade esse curso da Senasp é um exemplo de esforço de melhoramento. 2) Os policiais envolvidos devem ser os primeiros a exigir calma e prudência de si mesmos e dos demais. (Só para comentar esse é uma das atitudes exigidas no caso dos negociadores, eles não podem ser mais um elemento nervosismo na cena e sim um agente que direcione o desfecho com razoabilidade) 3) Nesse caso ficou patente o que vamos nos referenciar, por causa do filme, mas em seus meandros não dava para atentar muito para a causa social, mas quando falamos de uma rebelião com motivos “um tanto legítimos” de presidiários ou quando falamos de movimentos sem-terra é necessário avaliar os elementos sócio-políticos envolvidos.

Como na Semana anterior de curso, vamos assistir vídeos, ler matérias da época e outras fontes de informação para podermos entrar na fase de debates sobre o tema mais abastecidos de dados que firmem nossas opiniões:

Vídeo da análise do desfecho do sequestro do Ônibus 174

35px-wikipedia-logo Extraído da Wikipédia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Sequestro_do_ônibus_174

O sequestro do ônibus 174 é um episódio marcante da crônica policial do Rio de Janeiro, no Brasil. No dia 12 de Junho de 2000, às quatorze horas e vinte minutos, o ônibus da linha 174 (Central – Gávea) da empresa Amigos Unidos ficou detido no bairro do Jardim Botânico por quase 5 horas, sob a mira de um revólver, por Sandro Barbosa do Nascimento, vítima da antiga Chacina da Candelária.[1]

Ao entrar no ônibus, Sandro só pretendia cometer um assalto. Algo, entretanto, deu errado e ele acabou ficando preso dentro do ônibus com seus onze reféns. Luciana Carvalho foi uma das primeiras que teve a arma colocada na cabeça. Sandro a levou para a frente do ônibus e queria que ela dirigisse o veículo. Foi ali que o seqüestrador fez o primeiro disparo, um tiro contra o vidro do ônibus, feito para intimidar os fotógrafos e cinegrafistas no local.

Willians de Moura, que na época era estudante de administração, foi o primeiro refém a ser liberado, ficando outras dez pessoas que eram todas do sexo feminino. Após a liberação de Willians, Sandro apontou a arma na cabeça de Janaína Neves e a fez escrever nas janelas, com batom, frases como: “Ele vai matar geral às seis horas” e “ele tem pacto com o diabo”.
“Ele vai matar geral às seis horas”-Frase escrita pela refém Janaína Neves

Após um tempo, Sandro libera também uma mulher chamada Damiana Nascimento Souza. Damiana já tinha sofrido dois AVCs e, naquele momento, passou mal novamente tendo um terceiro derrame. Segundo uma reportagem da Revista Época, o derrame “deixou-a sem a fala e sem os movimentos do lado esquerdo do corpo. (…) Desde então, caminha com dificuldade, comunica-se por escrito e apenas dois motivos a fazem deixar a casa humilde, no topo do Morro da Rocinha: ir ao médico e depositar flores no cenário da tragédia”.

Um dos momentos de maior tensão foi quando o assaltante andou de um lado para o outro com um lençol na cabeça de Janaína. Segundo ela, Sandro afirmou que iria contar de um até cem, e quando chegasse no fim da contagem, ele a mataria. Sandro contava pulando os números e, ao chegar no número cem, fez a refém se abaixar e fingiu dar-lhe um tiro na cabeça. Após isso, fez ameaças: “delegado, já morreu uma, vai morrer outra”.
Desfecho do seqüestro.
Refém é baleada quator vezes: com um tiro de raspão no queixo disparado pelo policial e três nas costas, em disparos efetuados pelo seqüestrador

Momentos de tensão e diálogo fizeram cenário entre as reféns e Sandro por muito tempo. Às dezoito horas e cinqüenta minutos no horário de Brasília, Sandro decidiu sair do ônibus, usando a professora Geísa Firmo Gonçalves como escudo. Ao descer, um policial do BOPE tentou alvejar Sandro com uma submetralhadora e acabou errando o tiro, acertando a refém de raspão no queixo.[2] Geísa acabou também levando outros três tiros nas costas, disparados por Sandro.

Com sua refém morta, Sandro foi logo imobilizado enquanto uma multidão correu para tentar linchá-lo. Ele foi colocado na viatura com outros policias segurando-o. Sandro foi morto por asfixia ali dentro. [3]Segundo sua tia Julieta Rosa do Nascimento, a assistente social Yvone Bezerra e a mãe Dona Elza da Silva (a única pessoa que participou de seu enterro), Sandro não era capaz de matar ninguém, mas de acordo com a polícia do Rio, Sandro tinha um comportamento nervoso e agressivo e chegou a quebrar o braço de um policial e morder outros ao tentar, supostamente, tirar uma arma deles. Após alegações de que a morte de Sandro foi ocasional, os policiais responsáveis pela morte de Sandro foram levados a julgamento por assassinato e foram declarados inocentes.[4] Em novembro de 2001, a linha 174 mudou de número para 158.

Geísa Firmo Gonçalves foi enterrada em Fortaleza – CE, no cemitério do Bom Jardim. Seu enterro foi acompanhado por mais de 3.000 pessoas.[3]

Anúncios

Um comentário em “Ônibus 174”

Os comentários estão encerrados.